Esporte RO

Nos pênaltis e na raça, Costa Rica, do herói Navas, elimina a Grécia e avança

costarica_comemoracao_aldocarneiro-2_95O maior mérito da Costa Rica foi exatamente a maior qualidade da Grécia: saber resistir. Mesmo com um homem a menos durante toda a prorrogação e boa parte do segundo tempo. O time de Bryan Ruiz, Joel Campbell, Bolaños e do novo herói nacional, Navas, está na história da Costa Rica. Independentemente do que aconteça contra a Holanda. A vitória dramática sobre a Grécia, nos pênaltis, garantiu a inédita classificação às quartas de final da Copa do Mundo. Brilhou Navas, que defendeu a cobrança de Gekas, quarta dos gregos. O zagueiro Umaña selou a vitória por 5 a 3 da marca da cal. Uma vitória que havia escapado aos 45 minutos do segundo tempo, quando Sokratis achou o gol grego já nos acréscimos.

A comemoração após a cobrança de Umaña foi digna de título. Mais uma. Já tinha sido. Na mesma Arena Pernambuco, a Costa Rica voltou a surpreender o mundo ao bater a Itália e se classificar por antecipação no grupo da morte. O triunfo sobre o Uruguai na estreia, outro feito surpreendente, foi também um momento com cara de conquista. Pode ser até injusto dizer. Mas a Costa Rica já ganhou sua Copa do Mundo. No próximo sábado, na Arena Fonte Nova, tentará o milagre diante dos holandeses.

Muralha grega leva vantagem, e placar fica zerado

O ritmo cadenciado do primeiro tempo favoreceu mais a Grécia. Apesar do certo equilíbrio denunciado no placar de 0 a 0, o time europeu soube se defender e, surpreendentemente, atacar melhor que a Costa Rica. Aos 36 minutos, Salpingidis desperdiçou a única grande oportunidade da primeira etapa. Navas desviou o chute cruzado do atacante dentro da área, após cruzamento de Cholevas. Arrancou suspiros do público. Um momento raro em toda a primeira etapa.giannis-maniatis_grecia_reu_95

A Grécia cumpriu a cartilha. Bem postada na defesa, organizada no meio. Na medida do possível, perigosa nos contra-ataques. Único homem à frente da linha da bola, Samaras mostrou qualidade. O atacante do Celtic soube bem o que fazer com a bola, mesmo quando não tinha chance de finalizar.

Esperava-se mais da Costa Rica. Sobretudo do setor ofensivo, da dupla Bryan Ruiz e Joel Campbell. Um chute perigoso de Bolaños, fruto de uma boa trama no ataque, foi o único momento de inspiração. O ritmo do primeiro tempo acabou frustrando a torcida, que não economizou nas vaias na descida para o intervalo.

Costa Rica na frente, expulsão e, de novo, gol grego dramático

Talvez a reclamação do público tenha surtido efeito. Talvez tenha sido só mais uma ironia do futebol. O ferrolho grego, a muralha, apenas assistiu Bolaños rolar a bola para Bryan Ruiz na entrada da área. Desmarcado, o atacante do PSV emendou o chute no cantinho do goleiro Karneziz, imóvel. Pareceu um gol em câmera lenta. O segundo de Ruiz na Copa. O segundo na Arena Pernambuco.

Desvantagem assimilida, o técnico Fernando Santos resolveu mexer na Grécia. Saiu o volante Samaris para a entrada do atacante Mitroglou. Àquela altura, buscar o ataque era a única alternativa. Ainda mais depois que o zagueiro Duarte foi expulso. Ele já tinha amarelo e deu uma entrada dura em Cholevas aos 20 minutos.

navas_efeCom um homem a mais, a Grécia se lançou de vez à frente. Martelou até o fim. Seguiu fiel ao princípio de nunca desistir. Acreditar sempre. Até o último segundo. Como em um flashback, o time helênico repetiu a façanha vista na última rodada da fase de grupos. O gol de empate saiu já nos acréscimos. Assim como o gol da classificação no Grupo C, contra a Costa do Marfim. Daquela vez, Samaras. Desta vez, Sokratis. Foi o zagueiro que aproveitou o rebote do goleiro Navas, após a finalização de Gekas. Mais um gol com espírito grego. Antes da prorrogação, Navas ainda precisou fazer uma grande defesa numa cabeçada de Mitroglou. Quase acontece a virada.

Grécia pressiona, e Navas segura empate na prorrogação

O primeiro tempo da prorrogação correu sem maiores emoções. A vantagem numérica conduzia a Grécia de maneira mais incisiva ao ataque, mas as chances não apareceram. Um ou outro lance exigiu dos goleiros. No lance mais perigo, Navas evitou o gol contra de Umeña logo no primeiro minuto.sokratis_grecia_gol_get_95

A segunda parte seguia o mesmo enredo. Cada vez mais tensa, obviamente. Os costarriquenhos tentavam se multiplicar para amenizar a perda de Duarte. Os gregos se sentiam na obrigação de aproveitar a vantagem, antes dos pênaltis. Aos 7 minutos, um contra-ataque da equipe europeia abriu a porta da vitória. Cinco contra dois. Era a chance. Torodisis recebeu na área e chutou cruzado. Navas espalmou.

Um lance mais espetacular viria nos acréscimos. Mitroglou teve a classificação nos pés, mas perdeu o gol dentro da área. Fez-se a vontade da torcida brasileira – maioria absoluta no estádio – que comemorou o apito final como um gol. Para ter o prazer de ver os pênaltis.

Pênaltis

A Costa Rica fez 5 a 3 na disputa de pênaltis.navas_karnezis_reu

Texto: globoesporte.com

Fotos: Aldo Carneiro/ Pernambuco Press/ Reuters/ Getty Imagens/ EFE

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *